sexta-feira, 26 de janeiro de 2018



 Acordar...


O vento toca as asas adormecidas
Lentamente acordam
Batem levemente num despertar letárgico
Estariam por certo hibernadas
Digerindo  emoções sentidas
Palavras envolventes e marcadas
Promessas amontoadas num toque enérgico.
O voo começa a ter desenhos contornados
A espera aparece enublada, calada
Sem  porta de saída, pois está lacrada
A vida brinca, sorri ou ri
Para mim ou para ti
Mas começa a destruir...
Aqueles sonhos que foram tão sonhados.

Garça Real


 

terça-feira, 16 de maio de 2017







Amor !
A não desistência do sonho profundo
Mesmo quando pincelado de dor
Envolve e dá cor ao mundo 
Pois laivos de alegria explodem
No inesperado momento
Onde foi morto o tormento
E as volúpias desse amor ardem.
Querer-te é possuir o direito à vida
É desenterrar a alma esquecida
Espezinhar a solidão
Na doação do coração.
A realização acontece
Lentamente,
Docemente,
Pois ela faz parte...
Duma sofreguidão envolvente.


 Garça Real




 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017







No corpo dança
A volúpia do perfume teu
Num rasto de sabor louco
No meu corpo que aquece o teu
De um beijo...
Que sabe sempre a pouco
Porque escondemos o sentir
Não deixamos o coração rugir
Cerramos os olhos
Qual grito rouco
Unimos os corpos
Sedentos de querer
E num abraço tão forte
Deixamos...
Os pingos de amor a escorrer.


Garça Real